agosto 18, 2022

Diario el Analísta

Mundo de las noticias en español

Protector solar pode ser distribuido de gracia em Buenos Aires – Bem-Estar

Un proyecto de lei quer transformar o filtro solar em medicamento e incorporado lo ao sistema público de saúde da província da Argentina

(Foto: Freepik)

Un curioso proyecto de lei quer tornar gratuito o fornecimento de filtro solar aos moradores da província de Buenos Aires, na Argentina. A iniciativa é da deputada estadual Ofelia Fernándezde 21 años, do partido Frente de Todos, e pretende transformar o protetor solar em medicamento, com cobertura total ou parcial do estado, informacion diary argentino Ámbito.

O proyecto fe presentado na última cuarta (22/12) na Asamblea Legislativa, al mesmo tempo que Ofelia o divulgou em suas redes sociais. Por medio de un vídeo, junto con Dadatina (Daniela López), reconocida cosmetóloga e influencer digital de Argentina, a ideia foi compartilhada no Twitter (a gravação não está mais disponível).

No hay vídeo, Ofelia y Dadatina alertam que “o câncer de pele é o tipo de tumor mais comum” e que “estar sob o Solé um de seus principais desencadeadores”.

“Poder ser evitado sem ter que vive para numa caverna. Tem que usar protector solar, que não serve apenas para não queimar a pele na praia, como se pit uma proteção apenas”, estética acrescentam as duas na gravação que foi retirada da rede social.

O proyecto

O text propõe a criação do programa “Sol BA” (BA de Buenos Aires) pela secretaria de estado de Saúde da província argentina, para “garantir o acesso gratuito à proteção solar for a população de Buenos Aires”, segundo o periódico.

READ  8 casas que definen la arquitectura moderna en Argentina

A intenção do projecto é “reduzir a incidência e mortalidade do câncer de pele, bem as as taxas de queimaduras solares”. Ofelia Fernández anuncia una iniciativa a través de su cuenta oficial en Twitter: “Apresentamos un proyecto para que o protector solar não seja considerado estético, mas sim um remédio para a prevenção de doenças”.

“Portanto, deveria haver acesso gratuito para quem precisa. As obras sociais já podiam dar descontos ou não cobrar?”, completa a joven deputada no tuíte.